11º Carta - O passado é agora quando ama

Bem-vindos ao blog e ao convite para ler as cartas de amor inspiradas nas histórias que ouço todos os dias em meus atendimentos astrológicos, nos encontros da vida, e em minhas próprias experiências. Para quem quer saber mais sobre elas, veja o post da primeira carta no link: http://ferzanini.blogspot.com.br/2015/10/as-cartas-de-amor.html

11º Carta - 17/10/15

Inspirada em cartas de amor escritas há 60 anos pelos pais de um amigo querido.

Amor,

Minhas cartas para você estão me fazendo ebulição, todos os dias o chamado a escrevê-las me faz uma observadora de mim própria, de você e das histórias que a vida me conta. Fico maravilhada! São tantos enredos, tantos corações que guardam universos insondáveis!
Andei, por esses dias, relendo a vida de meu trisavô, um imigrante italiano que, como tantos, deixou sua pátria em busca de uma vida melhor para sua família.  Acho que pela primeira vez o vi como um ser-humano e não como um personagem, quanto deve ter doído ver sua Itália sumindo atrás do mar, guardando tanto suas dores quantos seus grandes amores. Imagino sua garganta apertada guardando as lágrimas que queriam pular de seus olhos no momento em que o navio apitava o som da despedida e o medo que sentiu quando cheiros e ares desconhecidos penetraram seus sentidos quando pisou em terra estranha que teria que chamar de lar.
Para que eu e você nos encontremos agora, quantas vidas foram vividas ou morridas? Quantos mares tiveram que ser cruzados? Quantas renúncias? Quanta coragem de amar ou de partir? Já pensou nisso? Pois é, eu penso sempre, e acho que é por essa razão que tenho tanta fome de vida, é como se eu tivesse que honrar cada uma dessas histórias através da minha, e com você ao meu lado quantas almas sendo reverenciadas em nosso beijo de amor!
E como a sincronicidade tem sido meu ponteiro de bússola, após minha viagem de volta ao coração de meu trisavô e um encontro com o passado, recebo do José Luíz Leite, um amigo muito querido, uma mensagem onde me enviou algumas das cartas de amor que seus pais se escreveram quando namoravam. A emoção tomou conta de mim, a nossa história foi buscar lá no passado duas vidas para honrar, lembrar que valeu a pena, lembrar que nenhum encontro de amor se perde no tempo, são moinhos que fazem o mundo se mover. Pena que nas cartas virtuais as lágrimas não penetram, senão você receberia minhas lágrimas de comoção junto com essas palavras, é tão profundo ler sobre vidas que se buscaram com tanta vontade e ao mesmo tempo com tanta inocência. Vou deixar que um trechinho das cartas do passado fale por mim. Veja amor, que coisa mais linda!


Uma vantagem tem as cartas virtuais, elas podem tocar música, então te deixo uma das nossas, tão inocente e profunda quanto as cartas trocadas por D. Dinah e o Sr. Gregório (os pais do Luíz).



Meu bem, não sei o que será de nossa história, mas sei que ela já é um moinho que faz vendavais acontecerem... o mundo está em movimento...

Sempre sua,

 Eu
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser