23º Carta - Quero ser criança com você

Bem-vindos ao blog e ao convite para ler as cartas de amor inspiradas nas histórias que ouço todos os dias em meus atendimentos astrológicos, nos encontros da vida, e em minhas próprias experiências. Para quem quer saber mais sobre elas, veja o post da primeira carta no link:    
http://ferzanini.blogspot.com.br/2015/10/as-cartas-de-amor.html


23º Carta – 31/10/15



Inspirada no workshop dado hoje, junto com Maria Lúcia Guiguer, sobre o resgate da criança interior. No encontro com pessoas que sabem ser disponibilidade.


Amor,

O meu dia das bruxas virou dia das crianças, afinal só elas para entenderem as bruxas mesmo sendo amigas das fadas. Só a criança em nós é capaz de dançar com a própria sombra e confiar que não será sugada por ela.
Conheci pessoas tão entregues e dispostas hoje, adorei brincar com elas. Há quanto tempo não brincava! Talvez nunca o tenha feito de verdade, já nasci velha, mas agora resolvi que quando morrer serei criança, quero aprender mais da inocência.
Hoje vi meus pais meninos, e depois jovens e só depois de terem se amado é que se tornaram pais, o que é apenas um detalhe num universo tão grande quanto é uma pessoa.
Sabe, amor, foi meu pai quem me ensinou que amar é deixar o outro livre, ainda que seja para não te querer, não sei se aprendi a lição direito, me ajuda a seguir tentando.
E minha mãe segue me ensinado que saber amar é fazer o bem sem olhar a quem.
Eu queria ter te conhecido quando éramos crianças, teria sido tão mais fácil, te roubaria um beijo na hora certa, e sairia correndo com o rosto vermelho, não de vergonha, mas de felicidade. Meninas sapecas tem certas permissões! Não que eu tenha sido uma, mas como te disse antes, vou aprender a ser.
Você nessa época não teria medo de magoar e correria comigo de mãos dadas, enquanto me apresentava seu mundo encantado, seus rios preferidos, o quão bem você jogava bola e o quanto era amigo dos animais, e me contaria seus planos para quando fosse grande. Ainda pode me contar, há tanto para crescermos.
Se fecho os olhos consigo ver o quanto você era lindo, não por fora (isso todo mundo sabe), mas por dentro, você queria ajudar as pessoas, queria curá-las, e seus olhos, as vezes, são tristes porque essa vontade segue aí dentro, eu sei.
Sorri meu amor, assim você move o mundo, e coloca na vida o seu olhar profundo, que assim que você faz com que a cura queira curar. Foi desse jeito que a Fera curou a Bela, se permitindo sorrir e sabendo olhar.
Saudades de ser criança com você...

Eu
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser