43º Carta - Palavras

Bem-vindos ao blog e ao convite para ler as cartas de amor inspiradas nas histórias que ouço todos os dias em meus atendimentos astrológicos, nos encontros da vida, e em minhas próprias experiências. Para quem quer saber mais sobre elas, veja o post da primeira carta no link:   
http://ferzanini.blogspot.com.br/2015/10/as-cartas-de-amor.html



43º Carta – 30/11/15


Inspirada em um atendimento onde aprendi muito sobre amor a distância.


Amor,

Ando sem palavras, não que elas tenham me abandonado, pelo contrário, começaram a tomar conta de mim, circulam por todo meu corpo e é difícil capturá-las e fazer com que fiquem quietas na tela. A criação ganha vida e quer viver, a palavra reproduz a dimensão das ideias, coloca mente e emoção em comunhão e até consegue deixar o corpo em alerta, mas ela ainda não pode ser pele, toque, arrepio, respiração, abraço, pulsar, sopro. Mais uma vez a criação depende do criador.
A palavra expressa sua vontade em pontos, interrogações, exclamações, aspas e muitas reticências, o que me permite tocar seu coração e fazer de sua cabeça um caleidoscópio de perguntas e respostas, mas, e quanto às suas mãos nas minhas, e quanto aos nossos cílios batendo uns nos outros, e quanto a sua voz me comandando e meu corpo se tornando seu ninho? O que pode fazer a palavra quanto a isso? Ela pode ser meu chamado, meu suspiro e, talvez, nada mais. A proclamo porta-voz de meus anseios e termino meu escrito de hoje me tornando palavra: “sim”! Para você sou toda “sim”.

Sua,

Eu

P.S: Me conhecendo bem, você sabe que nunca consigo terminar quando termino (risos), então vou te lembrar que hoje fazem 80 anos que partiu nosso Fernando Pessoa, assim que te deixo de presente as palavras dele que em nós habitam. Veja no vídeo qual voz escolhi para te contar sobre Pessoa... é muito amor... ahhh! você sabe, né?
 




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser