36º Carta - Entre os Girassóis

Bem-vindos ao blog e ao convite para ler as cartas de amor inspiradas nas histórias que ouço todos os dias em meus atendimentos astrológicos, nos encontros da vida, e em minhas próprias experiências. Para quem quer saber mais sobre elas, veja o post da primeira carta no link:   

http://ferzanini.blogspot.com.br/2015/10/as-cartas-de-amor.html



36º Carta – 16/11/15


Inspirada na Divina Comédia de Dante Alighieri, e em um vídeo de "Va Pensiero" recebido pela minha querida Aline Angusso.



Amor,

Hoje fui dar uma volta com Dante Alighieri, ele me convidou para um passeio pelo submundo, queria me mostrar como atuam as sombras. Embora eu adore um desafio, declinei do convite e pedi que me levasse a um lugar mais iluminado, o lar onde nasceu, a Toscana, a nossa Toscana! Primeiro caminhamos pelas pontes de Florença e depois fomos ao campo, onde abrimos um vinho, sentamos sob a sombra de um cipreste e começamos a falar da vida. Eu contei a ele que queremos comprar ali uma casinha feita de pedras e viveremos entre os girassóis. Contei que quando mudarmos para lá vou aprender a cozinhar para fazer seus sentidos felizes, e que você vai aprender a tocar pandeiro enquanto comtempla a passagem do tempo na observação da mudança de coloração do céu. Nos amaremos sob as oliveiras, e no fim da tarde receberemos nossos vizinhos que vivem ali há mais de 50 anos, e teremos nossos ouvidos atentos às suas histórias de beleza e dor, e aprenderemos sobre a vida, vendo-a através de seus olhos. Conheceremos também a linguagem do vinho e dos queijos, da uva e do pão. De mim em você e de você em mim.
Dante me ouvia encantado pensando em sua Beatrice, ela foi seu amor idealizado, nunca se tocaram, mas tudo o que ele escreveu foi inspirado nela. Ele me disse que muitas vezes caminhava entre os girassóis os vendo olhar para o Sol e imaginava as mãos de Beatrice entre as suas, e podia ver seus pés caminhando ao lado dos dele. Os girassóis cantavam lindas melodias em coro, e o céu se avermelhava de satisfação. Enquanto me contava isso uma lágrima de saudade caiu de seus olhos, uma saudade daquilo que não foi vivido. Em seguida Dante sorriu, tomando um gole de vinho, e disse: - Eu quis mudar o mundo, mas foi ela que mudou a mim. E me perguntou: - Você crê que não foi real? Eu lhe respondi: - É real! Sua Beatrice é amada por todos nós através de suas palavras há mais de 700 anos. Há algo mais real que isso?
Silenciamos e ficamos ouvindo o coro de girassóis que reconhecia-nos como dois amantes incuráveis, e o céu nos disse Amém avermelhando-se todo.
Ah! Amor! Que eu possa te guardar em minhas palavras como Dante fez com Beatrice. Nossa Toscana está lá, esperando por nós...


Sempre sua,

Eu


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser