42º Carta - Adeus à Saudade


Bem-vindos ao blog e ao convite para ler as cartas de amor inspiradas nas histórias que ouço todos os dias em meus atendimentos astrológicos, nos encontros da vida, e em minhas próprias experiências. Para quem quer saber mais sobre elas, veja o post da primeira carta no link:   

http://ferzanini.blogspot.com.br/2015/10/as-cartas-de-amor.html



42º Carta – 27/11/15


Inspirada nos atendimentos da semana que orbitaram em torno da dificuldade de abrir mão, no grande desafio que é desapegar do controle. 

Amor,

Antes de você chegar eu sentia saudades de algo que eu nem sabia se existia, saudades de uma pátria que não sabia onde ficava, e quando você me tocou voltei ao lar, fui preenchida.
É engraçado que quando vazia me achava cheia, cheia de certezas absolutas. Minhas sombras descansavam em jaulas confortáveis, eu conhecia a maioria delas, e ficava ali de fora a observá-las achando que tinha tudo sob controle. Minhas virtudes dançavam tranquilas e estavam também guiadas pelo meu olhar, em liberdade controlada, coreografia montada. Depois de você me misturei toda, me sinto inteira em cada parte e parte na inteireza, dá para entender? Acho que não, né? Somente sentir.
Em verdade, hoje, não sei bem como te dizer a vida. Sua presença é tão forte que sua falta me sufoca, as palavras se prendem na garganta, ou melhor, na pele das pontas dos dedos.
O que consigo expressar nesse momento é que por um tempo me viciei em você, temendo voltar ao vazio, mas logo entendi que quando dependo de sua presença torno-me sua escrava, coloco grilhões no Amor. E quando te peço o “para sempre” te torno meu escravo, amordaço a felicidade. Não serei eu a fazê-lo! Te quero livre, por isso abrirei mão do medo de voltar a ser saudade. Quando encontramos o caminho de casa nunca mais o perdemos.
Não me lembro como era antes de você chegar, e tampouco quero lembrá-lo, não voltará a ser igual, vou criar algo novo, algo meu, algo para essa nova eu feita de você.

Sua (não mais te obrigarei ao sempre),

Eu
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser