Venho despertando todos o dias com o chamado do olhar de Madalena. 

Esse olhar me instiga, me chama, me empurra. Me lembra de olhar e ver, de escutar e ouvir, de falar no silêncio, de tocar e sentir. 

Esse olhar que  lembra de sermos humanos para nos tornarmos divinos. Tudo retorna... sempre...

Maria de Magdala - A Torre do Amor

Ela o anseia como quem pressente a chegada daquele que “É”

Ela o respira com a certeza de que o Sopro o emana

Ela o cria com a fé de que o Amor o prepara

Em seus olhos a força que subjuga o medo

Em seus lábios bençãos

Em seu ventre a eleição que o faz Deus

Em seu peito o abrigo, a fonte de onde brota coragem

Em seus pés a segurança de seguir, apesar de tudo e sempre

Em seu coração o Bem

Seu guia a Simplicidade

Sua defesa compaixão

Seu hino “Que assim seja”

Sua casa oração

Seus amigos... sua família... seus filhos...  irmãos

O perdão grita em seus poros e o silêncio é o seu chão

Ah! Maria! Que sempre o soube...

Madalena que muito amou!

De teu amor consciência e Luz, por tua Luz a morte se curva ao Amor

Suspira Maria...

“Raboni meu amado Mestre! Faz em mim o teu Reino, em mim que sempre estive em Ti ainda quando eu não existia.”  

Raboni... Raboni... Meu Mestre...Meu pai...Meu amigo... Meu irmão... 

Meu Amor...

Fernanda Zanini

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

49º e Última Carta - Ser e deixar Ser